quinta-feira, 31 de julho de 2008

Dicas para Conciliar Trabalho com Estudo

  • Prestar o máximo de atenção nas aulas dos cursos preparatórios - elas devem ser encaradas como uma oportunidade diária de estudo.
  • O candidato deve estudar todos os dias da semana caso o concurso esteja previsto para ocorrer dentro de um a três meses.
  • Se o concurso ocorrer de quatro meses em diante, o candidato deve reservar um dia da semana para descansar e fazer o que gosta.
  • Estudar uma matéria diferente a cada vinte minutos, o que torna mais fácil encaixar os intervalos para almoço e jantar.
  • Se o tempo de estudo for de três a quatro horas por dia, o ideal é fazer uma pausa a cada 50 minutos por 10 minutos.
  • Ir para bibliotecas públicas ou salas de estudo dos próprios cursinhos preparatórios para ter maior concentração.
  • Revisar no estudo um dia para matérias e o outro para as provas antigas para ver como está o desempenho.
  • Priorizar as matérias específicas para o cargo pretendido que geralmente são as que exigem maior tempo de aprendizado.
  • Fazer um quadro com toda programação, incluindo higiene, horário de refeição, até trabalho para encaixar no período de estudo.
  • Compartilhar métodos de estudo com pessoas de mesmo interesse, através de sites de relacionamento.
  • Pesquisar na Internet sites especializados em concursos,que forneçam desde informações sobre exames até material de estudo e correção de exercícios.
  • Manter contato com pessoas que estejam estudando para o mesmo concurso que voce para compartilhar informações.
  • Procurar reportagens e artigos publicados sobre assuntos relacionados ao tema do concurso.
  • Prestar vários concursos faz com que o candidato perceba a forma como as organizadoras elabora as perguntas o que facilita o nível de compreensão.

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Elabore um bom curriculo e carta de apresentação! As chances aumentam para quem é objetivo

Confira algumas dicas de especialistas para seu currículo:
Apresente o objetivo profissional da forma mais sucinta possível, mostrando que você é um profissional determinado. Nunca omita o objetivo ou deixe-o amplo, contendo diversos cargos e áreas de atuação.
Na parte destinada à experiência profissional, ressalte os resultados alcançados ao longo da sua carreira, descrevendo o quanto contribuiu em cada empresa, e, se possível, citando resultados quantitativos.
Ao descrever suas atribuições, seja honesto, valorize suas experiências e habilidades, mas nunca minta ao selecionador.
No momento de citar os cursos realizados, mencione apenas aqueles que estejam relacionados ao seu objetivo profissional.


Confira algumas dicas de nossos especialistas para a sua carta de apresentação:
1 - Seja sucinto e evidencie seus pontos positivos.2 - Deixe clara a posição em que deseja atuar.3 - Ressalte suas habilidades na área em questão.4 - Destaque os aspectos mais relevantes da sua carreira, como ter trabalhado em empresas expressivas ou ter se formado em universidades de primeira linha.5 - Venda suas atribuições, mas não cite características pessoais, pois são muito subjetivas.6 - Apresente uma redação impecável, com coerência de idéias e sem erros de português.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Terapia em grupo reune policiais de diversos batalhões


Submetidos a altos níveis de estresse, policiais militares são atendidos por colegas formados em Psicologia para recuperar uma vida normal, o serviço é oferecido por alguns Batalhões da Polícia Militar para  que integram a capital e região metropolitana, no interior o atendimento é feito por cada batalhão, seguindo orientação da base.
As sessões são realizadas na sede administrativa da Polícia Militar, além das reuniões em grupo, há também tratamentos individuais e avaliações constantes.
Entre os programas desenvolvidos sob a coordenação do Centro de Assistência Social e Jurídica estão planos de prevenção para inatividade na aposentadoria e de combate ao consumo em excesso de álcool e outras drogas, com resultados significativos.Só o programa de prevenção de suicídio conseguiu,de 2003 a 2007, reduzir o número de mortes em 42% segundo dados oficiais.
A retomada de vínculos familiares abalados pelo trabalho policial é uma das prioridades.
Quase todos os psicólogos são policiais militares, entre os PMs atendidos estão desde os que são obrigados a passar por avaliações, encaminhados pelos comandos diretos após queda de rendimento ou mudanças de comportamento, até voluntários, que sentem a necessidade de ajuda ou orientação.
Para ampliar o número de atendimentos e divulgar o programa, os psicólogos policiais organizam palestras nos diversos batalhões.O preconceito e a falta de informação sobre a psicologia atrapalham, e muitos policiais temem uma avaliação negativa.
Os casos vão desde confrontos familiares até estresse após evento traumático, problema considerado um dos piores ara a corporação.Todos os que vivenciam situações de risco extremo têm que passar pelos psicólogos.
Trabalhar a sensibilidade da tropa é um dos principais desafios.Homens que enfrentam o cotidiano de uma metrópole violenta correm o risco de passar a ver a vida como algo banal.
Nos trabalhos artísticos desenvolvidos como parte de algumas das terapias, há referências constantes à morte, seja nas caveiras feitas de argila, seja nos desenhos agressivos misturados com inocentes representações de barquinhos de palitos ou campos de futebol.
As histórias mais impressionantes são as de homens, que depois da terapia, falam que voltaram a brincar com o filho, ficar mais com a esposa, segundo os psicólogos militares, o trabalho psicológico é um trabalho de edificação.