quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Histéria segundo Charcot

Ela está de volta. E agora, também neles.Apesar das inúmeras tentativas e estratégias dos discursos psiquiátricos e das neurociências em banir a histeria do cenário contemporâneo, obrigando-a a renomear-se como “transtornos somatoformes”, a histeria está de volta.
Aliás, ela nunca nos deixou, como bem disse Charcot, mestre da histeria: “O histérico sempre existiu. Em todos os lugares e em todos os tempos.”


A relação entre Charcot e a histeria é estreita e profunda: Foi ele que propôs considerar a histeria como um tipo clínico específico e dedicou-se a buscar e precisar toda a descrição de suas inúmeras modalidades.
A hipnose, para ele, é considerada uma neurose de essência histérica.Em seu pavilhão, onde fazia as suas famosas apresentações de casos, tinha à sua disposição um setor de fotografias, um serviço de otorrinolaringologia e de oftalmologia, e mesmo um museu de patologia com moldes em gesso de paralisias, contraturas apresentadas pelos pacientes histéricos.
Seu serviço na Salpetriére adquiriu fama internacional , atraindo médicos de diversas nacionalidades, dentre os quais, o próprio Freud.Sua clientela particular, numerosa e abastada, se espalhava pelos salões à espera de uma consulta. ( O Imperador Pedro II foi um de seus pacientes).
Foi Charcot que possibilitou a generalização da histeria para os dois sexos, permitindo assim a possibilidade de subjetivá-la como o fizeram Freud e Janet.

Há uma causalidade que é uma lesão dentro do modelo neurológico, só que não é uma lesão orgânica, e sim dinâmica.
Para Charcot,a teoria que vem atrás da clínica e não o contrário.
Ao considerar a hipótese da histeria se presentificar também entre os homens, faz oposição ao modelo predominante na época, a virada do século XIX /XX.
Um homem histérico é o avesso das leis constitutivas da sociedade” Briquet ( 1859).
Em 1881 Charcot começa a fazer apresentações de casos com pacientes homens histéricos, em 1885 publica seis casos de histeria masculina.
Nesta mesma época, surge tanto nos Estados Unidos como na Alemanha, uma doença chamada “Railway Spine" , isto é, depois de acidentes de trem, vários homens apresentavam paralisias e incapacidade para o trabalho e não se encontravam motivações orgânicas que justificassem este comportamento. Na Alemanha, esta doença recebeu o diagnóstico de neurose traumática, mas para Charcot, isto era histeria.

Afinal, quais são os sintomas da histeria nos homens?

1- Impotência para o trabalho: Aponta para algo que é característico da histeria, “uma queixa permanente” que se revela na clínica como “eu não consigo fazer, eu não consigo mudar”, “eu não tenho forças para trabalhar”. Uma queixa histérica porque não tem nada que impeça o sujeito de fazer algo, porém, ele não consegue. São os homens paralisados nos seus corpos.É importante saber diferenciar neste momento o que é sintoma histérico de uma simulação onde ele poderia se beneficiar do fato de não trabalhar. Charcot dizia que o médico que não sabe diferenciar uma simulação de uma verdadeira histeria é porquê é um péssimo médico.É preciso separar simulação e histeria. Ir contra o preconceito comum ( vigente na psiquiatria) de que o histérico/a histérica é um grande simulador. Não! Não é o sujeito que simula, é a histeria que simula, não é o sujeito histérico que simula estar doente, é a histeria que pode simular todo e qualquer tipo de doença.A questão da simulação estará muito presente no preconceito contra a histeria masculina, que se revela nas frases ordinárias do senso comum do tipo: “vai trabalhar, vagabundo”. Não é vagabundice, não é malandragem; é neurose, é histeria, histeria masculina.
2 -Outro sintoma da histeria masculina é a Errância: O que Charcot encontra é a mobilidade dos sintomas na histeria feminina ( exemplo clínico da paciente em buscas do gastro, cardiologista, ortopedista), um sintoma errante pelo corpo.

Na histeria feminina o sintoma se desloca por todo o corpo, as famosas mudanças de humor feminino, da alegria esfuziante à irritação instantanêa, da serenidade tranquila à melancólica tristeza. La Donna é mobile .
Isto se contrapõe a fixidez característica dos homens.A mobilidade da histeria masculina está em outro lugar: Se a mulher é móvel no sentido das suas emoções e dos seus sintomas, o homem é móvel no sentido geográfico, isto é, é aquele que vai errar pela vida afora, de cidade em cidade, de casa em casa, de país em país, de mulher em mulher.
Essa é a característica da errância masculina. Um homem sem pátria, se, lar, sem lugar fixo. É aquele que não fica quieto em nenhum lugar, não sossega, não repousa, está sempre em movimento. Aqui, a partir destas descrições da estrutura histérica nos homens, vamos encontrar semelhanças e analogias muito precisas com as que a analista junguiana Marie Louise Von-Franz faz a respeito das características do Arquétipo do Puer nos homens de idade adulta.
Von-Franz aponta no seu famoso livro “ Puer Aeternus – A Luta do Adulto contra o paraíso da infância”, dois traços fundamentais do homem dominado pela constelação arquetípica do Puer: a impossibilidade do trabalho e a errância do comportamento. Seguindo a direção apontada anteriormente por Jung, Von-Franz declara neste livro a famosa terapêutica recomendada aos Homens-Puer, ou seja, a cura para o Puer vêm pelo trabalho, pela possibilidade de estabelecer uma relação aceitável e criativa com a dimensão Senex do psiquismo.
Porém, quero me detêr na segundo traço fundamental que Von-Franz destaca na psicologia do Puer: a errância.
Para Jung, as figuras míticas dos heróis em geral são andarilhos e o caminhar errante é um símbolo do anseio, da busca incessante que nunca encontra seu objeto, da nostalgia da mãe que se perdeu.
Em “Símbolos de Transformação” , Jung considera que o objetivo secreto da caminhada errante é a mãe que se perdeu ( puer/complexo materno). Há uma parte da libido que se retira das tarefas heróicas e retorna incestuosamente no inconsciente em busca da mãe. Como esta libido é bloqueada pelo tabu do incesto, a libido não consegue atingir seu objetivo e fica , condenada, para sempre a caminhar errantemente em busca de um lugar nostálgico.
O puer é um errante por excelência, um sem lar, um sem morada fixa, anda de casa em casa, paísse, cidades, lugares, nenhum lugar o detém.Será a errância um sintoma do Puer? Penso na clínica onde esta errância assume a forma de errância do pensamento, um pensamento que não se fixa, que se desdobra em várias direções, nenhum ponto fixo, a errância no discurso.
Quero pensar na distração com uma das imagens deste puer errante. O sujeito distraído, o que não percebe, não se dá conta, não reparou, nem percebeu, sujeito preso aos seus devaneios, suas lembranças, suas reminiscências. , o famoso “ tô nem aí”.
Nas crianças, o famoso DDA ( distúrbio de déficit de atenção). Crianças distraídas ou histéricas? Como poder bem acolher a errãncia do pensamento na criança ao invés da indicação precipitada de ritalina por parte da psiquiatria? Seria a errância uma das imagens da histeria? A sensação de não-pertencimento? A distração histérica?A distração como uma das formas de presentificação da sombra? De ação do recalque? Me distraío para não saber de mim? Para não saber o que quero? Me distraío Para não saber da individuação?A distração como recusa não é um dos nomes da histeria. Um complexo dissociado condenado a a atuar sombriamente?Quero me detêr nestas duas imagens: Errância e Busca de um lugar nunca atingível.
Será D.Juan um exemplo de histeria masculina ou uma imagem arquetípica do Puer?D. Juan surge no imaginário ocidental tanto como mito como personagem literário.
O principal romance em torno deste personagem é atribuído ao dramaturgo espanhol Tirso de Molina num livro chamado “El Burlador de Sevilha” 1630 ( O Enganador de Sevilha) .
O personagem irá aparecer também em peças teatrais, poemas, romances libertinos, folhetins , e se destaca nesta produção ao redor do seu nome a obra “D.Juan” de Moliére, um clássico da literatura francesa como também a ópera de Mozart “Don Giovanni” de 1787.
A ópera narra que durante o apogeu da sua carreira sedutora e libertina, D.Juan seduz uma mulher de nobre família e mata seu pai.
Posteriormente, vendo uma estátua de pedra no túmulo do Comendador, pai de sua ex-amante, convida-a para jantar com ele, de modo irônico e arrogante.
A estátua de pedra surge de forma aterradora ao jantar do conquistador, que nunca se arrependeu de seus atos anteriores e é levado à danação eterna em meio a grandes chamas e grande estrondo.
Queria retomar o conceito de errância que Charcot localiza na histeria masculina e que assume a forma de mobilidade geográfica no homem histérico. Esta errância seria o correspondente masculino da errância do sintoma na mulher, a versatilidade e plasticidade do sintoma na mulher.
Proponho pensar a imagem do personagem D.Juan como um errante, um histérico errante ou um Puer e sua infinita errância. Mas que errância? Um errante da carne. D.Juan é um errante da carne, aquele que vai desfilando sua errância de mulher em mulher, errante nos corpos femininos, buscando sempre um novo lugar, um novo território, um novo corpo feminino a ser conquistado.
A errância do Puer em busca de aventuras.Porém a pergunta fundamental é: O que faz D.Juan com as mulheres?O mito nos revela que D.Juan é aquele que se relaciona com as mulheres de forma muito específica, ou seja, ela lida com as mulheres uma a uma, e este traço é de fundamental importância no mito; não são todas as mulheres ao mesmo tempo, D.Juan não é o homem que tem várias mulheres ao mesmo tempo, ele é aquele que as trata de modo único e particular, é uma a uma, quando está com uma mulher ele está com ela, quando está com outra é outra e assim sucessivamente, sem ponto de chegada.
Aqui outra característica marcante do mito, pois D.Juan é o homem que conta as mulheres, as conta individualmente e uma a uma. D.Juan possui uma lista onde anota o número de mulheres conquistadas.
Na peça “Don Giovanni” é seu criado e companheiro fiel Leporello que tem a função de anotar na lista, as novas mulheres arrebatadas por seu patrão. Isto é de vital importância para entender o mito e a subjetividade do Homem Puer D.Juan. Na lista de mulheres conquistadas por D.Juan constam: na Espanha 1003, 640 na Itália, 230 na Alemanha, 91 na Turquia, 100 na França. Entre estas mulheres nenhuma discriminação: temos camponesas, camareiras, burguesas, condessas, princesas, mulheres de todas as classes sociais, idades, não importando se são ricas ou pobres, belas ou feias, contanto que use saias, D.Juan sabe muito bem o que fazer com elas.
Volto a lembrar: não são todas de uma única vez ou todas ao mesmo tempo, para ele, é sempre as contando particularmente, uma a uma, uma mulher de cada vez.
Desta forma, D.Juan, o homem Puer/histérico, se diferencia de outros estilos arquetípicos masculinos de relação com as mulheres como por exemplo o da imagem do Sultão.
Quem é o Sultão?O Sultão representa um tipo de homem que guarda para si todas as mulheres do Reino impedindo o acesso de todos os outros homens a essas mulheres. Ele é aquele que goza e se satisfaz de todas as mulheres, não deixando que nenhum outro homem as possa a vir tocá-las.
Aqui uma característica fundamental do Sultão: Um homem que tem todas as mulheres, que guarda todas ela para si, a fantasia arquetípica do homem possuidor de todas as mulheres e todas ao mesmo tempo. O Sultão e seu Harém, o Harém como o lugar onde se guarda confinadas todas as mulheres possuídas pelo Sultão. Aqui, poderíamos estabelecer uma analogia: O homem Puer, histérico representado por D.Juan e o homem Senex, obsessivo, representado pelo Sultão.
Neste sentido, D.Juan é o oposto do Sultão. Como dissemos anteriormente, para D.Juan a contagem é essencial, ele enumera as suas conquistas e as anota na sua lista.
Porém, uma vez conquistada a prêsa, ela não mais lhe interessa como mulher, torna-se apenas mais um número na lista, e aqui assume seu real valor – um número na lista - , então, ele pode
Ter quantas mulheres ele quiser, pois o que importa é fazer a mulher entrar na sua lista, logo em cada mulher ele deixa uma marca e é essa marca que vai ser contada a posteriori, o famoso 100 3 na Espanha, 640 na Itália,e assim por diante.
Aqui a dimensão Puer do D.Juan: Sua dificuldade em estabelecer uma relação erótica com as mulheres, me refiro, ao arquétipo de Eros e sua função de relação.
O Puer sexualiza as mulheres mas não as erotiza. Eros pressupõe relacionamento com o Outro, função de relação com a alteridade, inauguração de um vínculo dialético com o Outro, porém, é neste momento que o Puer fracassa pois frente ao desafio erótico da relação, ele lança sua libido sempre para outras direções, outros lugares, outros corpos, novamente, a errância típica do Puer.
O Homem identificado com o arquétipo do Puer, na impossibilidade de estabelecer uma relação de função com a Anima, ele atua a Anima, ou seja, a literaliza através da projeção sobre todas as mulheres. Ao invés da inauguração de uma relação com a Anima, há uma literalização da Anima. Este é o fenômeno que Marie Louis-Von Franz irá chamar de “Don Juanismo”, como algo tipicamente constelado no psiquismo do homem Puer.
Assim, D.Juan toma as mulheres, conquista-as, para depois largá-las, não há interesse em permanecer junto a elas ou tê-las inteiramente para si. Neste sentido, D.Juan é um libertário que usa a máscara do libertino, pois ele conquista as mulheres e as libera para o mundo e para os outros homens.
No mito de D.Juan, não há espaço para o cíumes ou a rivalidade com outros homens. Ele não compete ou disputa a sua viralidade com os outros homens, fundamentalmente, ele é um adorador das mulheres.
Extremamente oposto ao estilo proposto por D.Juan, temos o Sultão, como imagem do Senex obsessivo, pois este conquista as mulheres para guardar, para trancar no Harém, para confinar numa torre de marfin onde ninguém pode alcançar, tocar, sequer olhar.
O obsessivo coloca a mulher no lugar de morto, a mortificação do feminino, a anulação do desejo sexual feminino.
Na tradição muçulmana, a Burca é o exemplo máximo disso, a mulher anda como se fosse numa torre de pano. O que o obsessivo-Senex conquista para reter e guardar para si, o Histérico Puer conquista para libertar e lançar ao mundo.
Dois estilos arquetípicos de relação com as mulheres.Para o Puer, a questão é pegar e largar, não há desejo em permanecer junto, apenas o tempo necessário a conquista, para ele “a fila tem que andar”, de uma para outra, de uma para outra, sem fim e sem descanso, diferente do homem Senex – sultão- pois este gosta do batalhão de mulheres a seu dispôr, ( pensar em família Harém? Mulher, filhas, netas, noras...).
Outra diferença: para o Puer a busca sempre incessante da novidades. O Puer é escravo da novidade, do inédito, do que ainda está por vir. Para o Senex, o vício da repetição, a necessidade da segurança, da certeza, o imperativo da garantia. Nenhuma aposta no desconhecido. Todas as mulheres estão no Harém.
Assim no mito de D.Juan, a busca incessante é sempre pela novidade de um corpo feminino. O objeto desejado do Puer D.Juan está sempre em outro lugar, sempre num outro espaço que não aquele que já foi conquistado.
D.Juan não busca o amor eterno, mas fazer a mulher se apaixonar por ele para que possa vir a transar com ela. Paixão como condição para a relação sexual para ser transformada depois em um outro número na lista. Incluída na lista, é hora de partir em busca de novas conquistas. Errância do Puer.
Queria destacar um outro ponto do mito: A relação de D.Juan com a máscara.
Na peça de Tirso de Molina, quando a mulher nobre prometida a uma Duque lhe pergunta: Quem pois sois vós? D.Juan responde: Quem sou eu? Um homem sem nome. No segundo ato volta a mesma pergunta só que desta vez feita pelo Rei, e o Rei agora pergunta ao casal, D.Juan e Isabela. Quem sois vós? D.Juan se aproveita do equívoco e responde: Quem quereis que seja? Um homem e uma mulher, ele respondeD.Juan é um homem sem nome.
E é por causa desta falta de nome, que ele se apega e faz uso de tantas máscaras. D.Juan não está agarrado a um nome que possa vir a lhe dar algum identidade ou identificação. Um nome como aquilo que localiza o sujeito para o outro e para o mundo. Quero propôr pensar o nome como Persona, como o que se revela e que apresenta o sujeito para os outros.
Não Ter um nome diz respeito a questão do pertencimento, a sensação de não pertencer a um lugar, já que o nome pode ser considerado como algo que localiza e oferece território para o sujeito.
Como O Puer é um errante , consequentemente, ele é sempre um estrangeiro, um homem sem lugar e sem destino, um homem sem nome.No mito, o fato de não ter um nome, é o que possibilita a D.Juan o uso de várias máscaras, ou seja, a permissão para ele poder ser vários outros que quiser, de poder se fazer passar por alguém que as mulheres desejem que fôsse.
A cada conquista, ele é um diferente, se ela gosta de D.Otávio ( marido de D.Anna), será D.Otávio, se ela gosta de camponês, se faz passar por um camponês, se desejas um nobre, agirás como um nobre, ... é esta mobilidade que caracteriza uma plasticidade e muito dos efeitos da sedução do homem D.Juan. Diga-me o que queres que te darei.
A irresistível maleabilidade e pluralidade criativa do arquétipo do Puer. Ser muitos e não ser nenhum ao mesmo tempo.D.Juan cria a máscara necessária para cada ocasião, se oferece para ser o que as mulheres querem que ele seja, a conquista se faz não por aquilo que ele é mas pelo que ele não é, ou seja, o que se apresenta sob a forma de máscara para o sujeito. D.Juan tem mil faces e não tem face alguma, a máscara é sempre a da conquista, é usada sempre para fazer a mulher se convencer de que ela é , pelo menos naquele momento, a que não entrará na lista.
Aqui, um ponto crucial do mito de D.Juan e seu fascínio sobre as mulheres. Por que as mulheres se deixam seduzir pelo homem D.Juan? Será sua retórica? Seu fascínio verbal? Atração sustentada no corpo? O que seduz as mulheres no D.Juan?A grande sedução consiste em querer ser aquela que irá colocar um ponto final na lista, isto é, a fantasia de ser a mulher que não entrará na lista ou que irá fazer com que ele desista de prosseguir com ela.
A sedução consiste em querer corrigir ou acabar com a carreira de amante das mulheres que caracteriza o D.Juan. Toda mulher quer ser a menos uma da lista e não uma a mais na lista. A grande pergunta é: O que irá fazer com que este homem desista de aumentar a as lista?Uma paciente minha falou algo recente sobre isto. Ela está saindo com um ator famoso, que segundo ela é lindíssimo e extremamente gentil e sedutor, e diz ela “é um tipo D.Juan” , porque não deixa de transar com nenhuma fã que aparece.
Ela está muito “a fim” dele , quer fica com ele, mas diz que “não vai para cama de jeito nenhum com ele”, porque sabe que se isto acontecer ela entrará na lista dele, então faz de tudo, para ser , pelo menos, esta menos uma que poderia terminar a lista do sedutor incorrigível, ou seja, ela prefere ficar fora da lista, não transar com ele, e ocupar um lugar de exceção ( este é o desejo feminino por excelência) do que ter um prazer rapidinho e ser colocada na lista e virar mais um número na contagem dele.
No mês de julho, na coluna de Ancelmo Goís no Jornal “O Globo”foi publicada a seguinte nota: “ O jogador Ronaldo, em tom de brincadeira, apresentava a modelo Raica, seu novo objeto de desejo, aos amigos Ricardo Mansur e Álvaro Garneiro. “ É a minha namorada”, dizia. Foi domingo à noite, na festa da revista Photo no café La Musique em São Paulo. A modelo tentava escapulir pela lateral: “Eu não quero ser mais uma na sua lista”. Raica embarca amanhã para Londres”.
De novo, a fantasia feminina em cena: preferir ser a menos uma do que ser a uma a mais na lista, ou seja, fundamentalmente ocupar um lugar de exceção no desejo de um homem.
Um homem na véspera da sua despedida de solteiro, diz: “Pois é, amanhã vou Ter que jogar a minha lista de mulheres fora. Acabou. Agora, é só com uma”.A despedida de solteiro é você se despedir da lista, é o mito de que acabou a lista.
Entramos num outro mito, o mito do casamento, o mito da totalidade, do encontro possível, da relação inequívoca com o parceiro, o sonho de completude.
Porém, este mito sempre será ameaçado pela presença do mito de D.Juan, da procura infinita, do corpo que nunca satisfaz completamente, da busca errante por um lugar de plenitude, da procura incessante por aquela que irá pôr um ponto final na lista, aquela que falta para completar o catálogo.
Novamente, temos que contar uma a uma: 91 na Turquia, 640 na Itália, 1003 na Espanha.
Finalizando, diríamos que D.Juan é um mito que diz respeito a uma forma dos homens se relacionarem com as mulheres, especificamente, no caso dos homens tomados pelo arquétipo do Puer, mas D.Juan tb é um mito feminino, pois são a elas que ele se dirige.
As mulheres identificadas com este mito tanto são aquelas que aceitam fazer parte da lista como também, por outro lado, são aquelas que querem estar fora da lista, querem ser a menos uma da lista, que não quer ser trancada no Harém, e sim poder ser desejada e escolhida por um homem. Ser aquela que pode vir a ser um lugar de escolha e de relação junto a um homem.
Não mais um número da contagem da lista, mas um lugar de desejo e de Eros frente a um homem.E para D.Juan? O que o aguarda?O mito aponta a resposta: A morte.
Somente ela é que irá pôr um ponto final na lista, D.Juan aperta a mão do Comendador, ele convida a morte para cear com ele. Nesta cena, o encontro com a morte e a aceitação do fim, o encontro do Puer com o caráter vital e definidor do Senex.
Ao aceitar morrer, D.Juan se livra do peso de ser escravo das mulheres, refém da presença feminina , aceita reconhecer que toda lista, algum dia, chega ao seu fim.

Um comentário:

Mariliz disse...

Oi Silvinha!!
Asssisti novamente este filme hoje, e como cada vez que vemos um filme ele toma significados diferentes, para mim hoje ele revestiu-se de uma mensagem muito especial. Dom Juan Demarco, era a verdade essencial do personagem, quem ele é em seu intimo, sendo todo resto considerado máscara, papeis que desempenhamos para nos integrarmos numa sociedade. Encontrar a nossa verdadeira identidade e ter a coragem de vive-la é a mensagem desta filme hoje para mim. Viver esta identidade nem que para isso sejamos considerados loucos pelo restante da sociedade.
Bom dia.
Mariliz