sábado, 28 de maio de 2016

Estudando a Psicologia 5: Alguns conceitos

Conferência:  Encontro entre pessoas ou grupos para exposição, debates e propostas sobre temas/ questões de interesse comum.
Regimento: Documento apresentado a plenária, no inicio da conferencia, que contem as regras a serem seguidas na sua realização.
Plenária: Conjunto de todos os participantes da Conferência ( delegados e ouvintes)
Delegado: Pessoa escolhida pelo grupo do qual faz parte para representa-lo defendendo suas ideias e interesses, com poder de opinar e votar as questões tratadas em determinado evento.
Assistência Social: É um conjunto de ações destinadas a modificar e melhorar as condições dos cidadãos, em benefício do seu desenvolvimento integral.A partir da Constituição Federal de 1988 e das LOAS - Lei Orgânica da Assistência Social/ 1933 - a Assistência social passa a ser considerado dever do Estado e direito de todos que dela necessitam.
SUAS: Sistema Único de Assistência Social, modelo descentralizado e participativo, define e organiza os elementos essenciais a execução da política de assistência social.
Serviços Sociais: Serviços oferecidos por órgãos governamentais ou não governamentais, que tem por finalidade proteger as pessoas que se  encontram em situação de vulnerabilidade (fragilidade física, emocional, e social)
Usuário: Pessoa que utiliza ou desfruta de algo coletivo
Democracia: É o regime político que permite a participação do povo nas decisões políticas.
Cidadania: Conjunto de direitos do cidadão, em relação ao meio em que vive.
Participação Social: Participação da sociedade nas decisões que afetam sua vida, de sua família, de sua cidade e de seu país.
Controle Social: Participação da sociedade no acompanhamento e fiscalização das ações do governo no que diz respeito à prestação dos serviços públicos, avaliando os objetivos propostos, funcionamento e resultados obtidos.

sábado, 21 de maio de 2016

Estudando a Psicologia 4: Disturbios das Condutas Sexuais

Os distúrbios podem ser dirigidos em função de impotencia, frigidez,problemas de ejaculação etc...
O ato sexual necessita da intervenção de muitos níveis para se desenvolver:
- Efetores anatômicos e fisiológicos
- Motivações
- Desencadeadores externos :  No animal, o comportamento sexual será provocado por odor, visão, audição,etc. No homem o peso desses desencadeadores serão suas fantasias ( histórias, devaneios,leituras que quando evocadas tem um efeito poderoso0
- O contexto afetivo e a culpa:  A culpa e a agressão são fortemente ligadas e fazem parte de toda a relação, o homem não copula apenas com seu sexo, mas também com sua cabeça.
As perversões tem igualmente impacto sobre a vida sexual, elas ilustram as vicissitudes da sexualidade em relação ao seu objeto alvo.
A perversão designa um desvio em relação ao instinto, definido como um comportamento pré formado.
É possível, no homem, multiplicar as formas de perversão: no sentido moral ( delinquência), dos instintos sociais ( proxenetismo).
Há perversão quando há um desvio de norma, ou seja, o coito visa a obtenção do orgasmo pela penetração genital com uma pessoa do sexo oposto.Quando não acontece há perversão como pedofilia, zoofilia,etc, também por outras zonas corporais ( coito anal),ou quando está subordinado a condições extrínsecas( fetichismo,voyeurismo, exibicionismo, sadomasoquismo) que pode levar ao prazer sexual sendo condição indispensável a este.
A sexualidade dita normal,não é uma característica da natureza humana, mas fruto de uma evolução complexa e imperfeita do individuo.
A sexualidade infantil, pelo fato de está submetida ao jogo das pulsões não genitais, pode ser descrita como disposição perversa polimorfa.
No próprio exercício do ato genital, é suficiente que o indivíduo se prenda excessivamente  ao prazer preliminar para exercitar a perversão.
O aparecimento de uma dessas perversões traduzirá a fixação ou regressão a um dos estádios de evolução libidinal.Podem surgir conflitos que serão traduzidos por meios de angustia, fantasia, mecanismo de defesa.
O distúrbio de conduta sexual é um sintoma que oculta problemáticas da natureza do conflito, e da personalidade de cada um.
Enfatiza-se aqui o quanto é abusivo categorizar os indivíduos correspondendo a alteração de uma de suas condutas, e isso é mais perigoso quando se trata de personalidades frágeis e dependentes, que encontram aí uma ocasião de se identificar a um modelo fornecido pela sociedade.

Fonte: Manual de Psicologia Médica ; Patologia da Personalidade- Fotocópia - 1988

sábado, 14 de maio de 2016

Estudando a Psicologia 3 : Atribuições do Psicólogo na Vara da Criança e Juventude

Estudo de Caso: Consiste em um psicodiagonóstico do tipo compreensivo.
Instrumentos na Investigação Psicológica:
- Entrevistas Individuais
- Observação Clinica
- Uso de Testes Projetivos
- Observação Lúdica
- Estudo de Campo ( visitas domiciliares ou às instituições)
- Contato com profissionais afins
Finalidade do Estudo Psicológico: Subsidiar ou assessorar a autoridade judiciária no conhecimento dos aspectos psicológicos da criança ou adolescente, familiares ou responsáveis legais para que possa decidir e ordenar as medidas cabíveis.
Quando é realizado nas varas da infancia é em cumprimento à determinação judicial ou por encaminhamento do serviço social.
Conclusão do Parecer Psicológico: Consiste nas conclusões diagnósticas, indicações prognósticas, sugestões técnicas e encaminhamentos.
Compete a equipe técnica fornecer subcidios por escrito, mediante laudos.
Desenvolver trabalhos de aconcelhamento e orientação, encaminhamento, prevenção e outros.Tudo sob subordinação à autoridade judiciária,assegurada a livre manifestação do ponto de vista técnico.
O corpo técnico tem condições de fornecer elementos necessários para que se possa aquilatar qual o efetivo interesse da criança.
Objetivos do acompanhamento psicológico nas varas da infancia:
- Realização de orientação e acompanhamento
-Orientação e compreensão do caso.
- Definição da medida a ser tomada (destituição, abrigamento, desinternação, adoção)
- Avaliação da adaptação de mudanças e alterações ocorridas ao longo do tempo
- Verificação da realização e manutenção de encaminhamentos específicos (psicoterapia, escola especial)
- Acompanhamento psicológico dos casos de adoção, modificação de guarda, maus tratos, desvios de conduta, abrigo, desinternação.
Encaminhamento Psicológico: É atribuição do psicólogo quando necessário, realizar o encaminhamento para os recursos disponíveis na comunidade, como psicodiagnósticos, psicoterapia     (individual, grupal,casal),atendimento especializado( psiquiátrico, neurológico, fonoaudiológico,reabilitação,etc), atividades extra escolares, sempre considerando a saúde mental e a satisfação individual.
O psicólogo não se atém a queixa ou ao pedido formulado, mas à problemática detectada através de um diagnóstico situacional, procurando perceber o sujeito dentro do contexto sócio familiar, psicodinâmico, identificando suas reais necessidades.
Na avaliação dos casais a serem cadastrados, torna-se importante obter um perfil psicológico dos interessados, levando-se em conta os diversos fatores considerados relevantes para adoção bem sucedida.Que são a esterilidade e motivação.
 Fatores para avaliação para obtenção do perfil dos adotantes:
-Motivo da adoção
- História Familiar
- Maturidade Emocional
- Equilibrio dinâmico do casal
- Flexibilidade ou rigidez de valores e conceitos
- Expectativas em relação à criança
- Fantasias sobre a história da criança e de sua genitora
Adastramento de crianças em condições de adoção:
Realizado mediante o levantamento processual abrangendo crianças que se encontram em abrigos ou lares provisórios.
 É comum o Ministério Público solicitar manifestação técnica sobre os relatórios periódicos enviados pelos abrigos.O acompanhamento visa processual é importante para o psicólogo poder integrar-se da evolução dos casos em que intervem, podendo contribuir muitas vezes, para uma definição mais rápida e eficaz de algumas situações.
Cadastramento de casais para adoção:
 Tem por objetivo propiciar a rápida e eficaz colocação de crianças em lares substitutos adequados e continentes às suas necessidades, diminuindo o índice de rejeição e fracasso na adoção.
Cadastro é um banco de dados sobre casais selecionados para serem futuros pais das crianças que virão a ser adotadas.
São exigidos estudos psicológicos e sociais dos candidatos e aprovação das fichas pelo Ministério Público e magistrado.
Importância do Cadastramento da Crianças:
- Relaciona as crianças que se encontram legalmente liberadas para colocação em família substituta.
- Agiliza o andamento dos casos onde existia a necessidade de alguma definição.
-Procura-se traçar um perfil psicológico do desenvolvimento da criança verificando suas condições emocionais e disponibilidade para a adoção.
Contatos com Abrigos e Recursos Comunitários:
Visa atender a demanda de encaminhamentos podendo ser realizada através de visitas às entidades e contatos interprofissionais.
É importante o conhecimento dos abrigos permitindo que o psicólogo avalie as condições de atendimento prestado, bem como assinalar as deficiências, limitações e irregularidades do atendimento.
Participação em Audiências:
Pressupoe a realização anterior ao estudo psicológico pertinente ao caso, o psicólogo é solicitado a participar da audiência e oferecer verbalmente suas conclusões podendo ou não remeter um relatório previamente elaborado.
O estudo social precede ao psicológico para fornecer elementos dessa área de conhecimento.

sábado, 7 de maio de 2016

Estudando a Psicologia 2 : Origens da Psicologia Jurídica (Resumo)

Aperfeiçoamento dos métodos da Aquisição da verdade: São métodos para reconhecer a verdade, que usam a força incoercível da associação de ideias em substituição aos meios coercitivos de obter confissões, com a relatividade do valor probatório desses métodos, inseridos no parâmetro da Culpabilidade X Inocência.
Perícia: Consiste no meio pelo qual no processo, pessoas entendidas e sob compromisso, verificam fatos interessantes à causa, transmitindo ao juiz o respectivo parecer. Processo de verificação dos fatos por peritos.
Perito: Investigador construindo uma "prova" para a formação da convicção do magistrado.
Prova Pericial:Fornece subsídios à respeito de fatos probandos.
 Objeto da perícia:
1- Fatos da causa que escapam ao conhecimento ordinário.
2- Fatos que dependem de conhecimento técnico ou científico.
Meios Ordinários de provas judicias:
- Confissões
-Testemunhas
-Documentos
Art 139 Processual Civil: Define perito como auxiliar do juízo cujas atribuições são determinadas por normas de organização judiciária.
Art 145: Do Perito: Quando a prova do fato depender de conhecimento técnico ou científico, o juiz será assistido por perito.
Perito é meio de prova.
Atuação do psicólogo em instituição judiciária:
Exercerá função de:
- Orientador
-Membro de equipe multiprofissional
-Requer experiência no trato de problemas de violência e crime
-Familiarizado com instituições penais, agencias sociais e instrumentos comunitários
-Poder ser empregado pela instituição em um serviço psicológico regular ou ser convocado como consultor em casos individuais.
Atividade:
Fornecer fatos e informações avaliativas para o juiz,
 Junta de livramento condicional,
Recomendar programas de tratamento personalizado
O Psicólogia nos Tribunais:
- Consultoria em Psicologia ( desenvolvimento e educação das crianças e adolescentes, família, drogas/alcoolismo, direitos civis)
-Consultores para comissões legislativas
-Colaborando no ensino e na pesquisa
* Teóricos da Psicologia do Testemunho:
1903: Alfred Binet -Alemanha
1908: Hugo Munsterberg E.UA
1917: Psychological Bulletin: Revistas anuais sobre psicologia do testemunho
1985: Assunto expandido para que que a equipe se tornasse multiprofissional.
Clínicas de Tribunal: Orientação e psicoterapia de curta duração.
-Função Preventiva: Prescrição de programas corretivos e terapeuticos
- Orientação de pais e responsáveis
Aconselhamento Psicológico:
É um processo que procura intervir nas condições vivenciais internas do indivíduo, buscando levá-lo à ampliação do auto- conhecimento e ao desenvolvimento da autonomia.
Tem função de suporte, de apoio ao indivíduo proporcionando fortalecimento egóico através da promoção da auto estima e auto confiança.
Mediante o aconselhamento, procura-se levar o sujeito a conscientização de suas potencialidades e ao melhor aproveitamento das mesmas, bem como encontrar formas satisfatórias de lidar com as próprias limitações e frustrações.
Orientação/Aconselhamento:
- São intervenções psicológicas realizadas junto à clientela de forma individual ou grupal (casal, família).
-Podem ocorrer em casos que estão em acompanhamento psicológico, após o estudo do caso.
- Podem ocorrer em casos sem processo em geral encaminhados pelo serviço social em triagem
- É comum serem realizados em casos de: colocação em família substitutas ( guarda, tutela, adoção)
- Casos de maus-tratos (vitimização)
- Distúrbios de Conduta e desajustes familiares
- Situações de crise
A orientação psicológica tem uma abordagem diretiva, lidando à nível da queixa ou de um objetivo específico a ser alcançado ( pertinentes à medida ou fases do acompanhamento).
Possui características e efeitos psicopedagógicos e psico profiláticos, na medida em que favorece a modificação de comportamentos inadequados e contribui para previsíveis distúrbios  de desenvolvimento emocional.
Finalidade do estudo psicológico: Subsidiar ou assessorar a autoridade judiciária no conhecimento dos aspectos psicológicos da criança e do adolescente, familiares ou responsáveis legais para que possa decidir e ordenar as medidas cabíveis.
Parecer Psicológico: A conclusão do estudo realizado é apresentada no laudo ou relatório, consiste nas conclusões diagnósticas, indicações prognósticas, sugestões técnicas e encaminhamentos.
Tem importância e valor como subsídio nas decisões de magistrado,tendo por função auxilia-lo no conhecimento e apreciação dos fatos em exame.